Reflexão do Evangelho 13/04/2021

Bom dia Espírito Santo! O que vamos fazer juntos hoje…

Evangelho de hoje, 13 de abril (Jo 3,7-15): «É necessário para vós nascer do alto»
«Não te admires do que eu te disse: É necessário para vós nascer do alto. O vento sopra onde quer e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim é também todo aquele que nasceu do Espírito». Nicodemos, então, perguntou: «Como pode isso acontecer?». Jesus respondeu: «Tu és o mestre de Israel e não conheces estas coisas? Em verdade, em verdade, te digo: nós falamos do que conhecemos e damos testemunho do que vimos, mas vós não aceitais o nosso testemunho. Se não acreditais quando vos falo das coisas da terra, como ireis crer quando eu vos falar das coisas do céu? Ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu: o Filho do Homem. Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também será levantado o Filho do Homem, a fim de que todo o que nele crer tenha vida eterna».
 
COMENTÁRIO: «Para que todo aquele que acredita tenha nele a vida eterna!» A imagem é uma forma de mostrar, por analogia, as coisas que esperamos. Por exemplo, Adão é a prefiguração do Adão que havia de vir (1Cor 15,45) e a pedra [no deserto, durante o Êxodo] prefigura Cristo; a água que jorra da pedra é a imagem do poder vivificante do Verbo (Ex 17,6; 1Cor 10,4), pois Ele disse: «Se alguém tem sede, venha a Mim; e quem crê em Mim que sacie a sua sede» (Jo 7,37); o maná é a prefiguração do «pão vivo que desceu do céu» (Jo 6,51); e a serpente colocada num poste é a figura da Paixão, da nossa salvação consumada na Cruz, uma vez que quem olhasse para ela era salvo (Nm 21,9). Do mesmo modo, o que a Escritura diz sobre a saída dos israelitas do Egito foi narrado como prefiguração daqueles que se salvam através do batismo; pois os primogênitos dos israelitas foram salvos pela graça dada àqueles que tinham sido marcados com o sangue do cordeiro pascal, e esse sangue prefigurava o sangue de Cristo. Nesses tempos, o mar e a nuvem (Ex 14) conduziam à fé pela admiração; mas, em relação ao futuro, prefiguravam a graça que estava para vir. «Aquele que for sábio refletirá em tudo isso e compreenderá o amor do Senhor» (Sl 107,43). Compreenderá que o mar, prefigurando o batismo, separava os judeus do faraó, tal como o batismo nos faz escapar à tirania do diabo. Outrora, o mar afogou o inimigo; hoje, morre a inimizade que nos separava de Deus. Do mar, o povo saiu são e salvo; e nós elevamo-nos das águas, como se ressuscitássemos dentre os mortos, salvos pela graça daquele que nos chamou. Por sua vez, a nuvem era a sombra do dom do Espírito, que refresca os nossos membros, apagando a chama das paixões (São Basílio, monge, bispo e doutor da Igreja).
 
Orai sem cessar: “Não me prives, Senhor, de teu santo Espírito!” (Sl 51,13)
São José, servo justo e fiel, rogai por nós, pelo fim da Pandemia e de todo mal que a circunda!
À Jesus, toda honra, louvor e adoração!
Shalom🙏Veni Sancte Spiritus! Veni Lumem Cordium!

Compartilhe Também

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

INSCREVA-SE NO BOLETIM INFORMATIVO

Inscreva-se para receber nossas últimas notícias

Mais para você ler