Reflexão do Evangelho 17/06/2021

Bom dia Espírito Santo! O que vamos fazer juntos hoje…

Evangelho de hoje, 17 de junho (Mt 6,7-15): «A oração do Pai Nosso»
Disse Jesus aos seus discípulos: «Quando orardes, não digais muitas palavras, como os pagãos, porque pensam que serão atendidos por falarem muito. Não sejais como eles, porque o vosso Pai bem sabe do que precisais, antes de vós Lhe pedirdes. Orai assim: “Pai nosso, que estais nos Céus, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso reino; seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido; e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. Porque se perdoardes aos homens as suas faltas, também o vosso Pai Celeste vos perdoará. Mas se não perdoardes aos homens, também o vosso Pai não vos perdoará as vossas faltas».
 
COMENTÁRIO: «Orai assim». De tudo o que diz respeito à oração e a exercícios de devoção, detenhamo-nos apenas nos ritos, ou maneiras de rezar, ensinados por Jesus. Não podemos duvidar de que, quando os discípulos pediram a Nosso Senhor que os ensinasse a rezar, Ele lhes disse tudo o que era necessário para serem atendidos pelo Pai eterno, cuja vontade conhecia perfeitamente. Ora, Jesus apenas lhes ensinou os sete pedidos do pai-nosso, no qual está contida a expressão de todas as nossas necessidades corporais e espirituais. Não lhes ensinou uma quantidade de orações e de cerimônias; pelo contrário, disse-lhes noutra ocasião que não multiplicassem as palavras ao rezar, porque o nosso Pai do Céu sabe muito bem aquilo de que temos necessidade. A única coisa que lhes recomendou, e fê-lo com viva insistência, foi que perseverassem na oração. Mas também disse: «É necessário rezar sempre, sem nunca desfalecer» (Lc 18,1). Assim, Ele não nos ensinou a multiplicar os pedidos, mas a tornar a fazê-los, muitas vezes, com fervor e atenção. Porque, repito, estes pedidos do pai-nosso encerram tudo o que está de acordo com a vontade de Deus e tudo o que nos é útil. Por isso, quando o Mestre divino por três vezes Se dirigiu ao Pai eterno, em todas elas repetiu as mesmas palavras do pai-nosso, como reportam os evangelistas: «Pai, se este cálice não pode passar sem que Eu o beba, faça-se a tua vontade!» (Mt 26,42). Quanto aos ritos que devemos seguir na oração, Jesus nos deu apenas dois: ou «entrar no quarto mais secreto» (Mt 6,6) e aí, longe de todo o ruído e com toda a liberdade, rezar com um coração puro e despreocupado […]; ou procurar locais solitários, como Ele próprio fazia, para orar nas horas mais favoráveis e silenciosas da noite (São João da Cruz, carmelita descalço, doutor da Igreja).
 
“Percorrei todas as orações que se encontram nas Escrituras, e eu não creio que possais encontrar nelas algo que não esteja incluído na oração do Senhor!” (Sto Agostinho)
À Jesus, toda a honra, louvor e adoração!
Shalom🙏Veni Sancte Spiritus! Veni Lumem Cordium!

Compartilhe Também

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

INSCREVA-SE NO BOLETIM INFORMATIVO

Inscreva-se para receber nossas últimas notícias

Mais para você ler