Reflexão do Evangelho 30/08/2021

Bom dia Espírito Santo! O que vamos fazer juntos hoje….

Evangelho de hoje, 30 de agosto (Lc 4,16-30): «O Ungido de Deus»
Jesus foi a Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, no dia de sábado, foi à sinagoga e levantou-se para fazer a leitura. Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, encontrou o lugar onde está escrito: «O Espírito do Senhor está sobre mim, pois ele me consagrou com a unção, para anunciar a Boa Nova aos pobres: enviou-me para proclamar a libertação aos presos e, aos cegos, a recuperação da vista; para dar liberdade aos oprimidos e proclamar um ano de graça da parte do Senhor». Depois, fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Os olhos de todos, na sinagoga, estavam fixos nele. Então, começou a dizer-lhes: «Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir». Todos testemunhavam a favor dele, maravilhados com as palavras cheias de graça que saíam de sua boca. E perguntavam: «Não é este o filho de José?». Ele, porém, dizia: «Sem dúvida, me citareis o provérbio: ‘Médico, cura-te a ti mesmo’. Tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum, faze também aqui, na tua terra!». E acrescentou: «Em verdade, vos digo que nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra. Ora, a verdade é esta que vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e uma grande fome atingiu toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado o profeta Elias, senão a uma viúva em Sarepta, na Sidônia. E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel, mas nenhum deles foi curado, senão Naamã, o sírio». Ao ouvirem estas palavras, na sinagoga, todos ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no para o alto do morro sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de empurrá-lo para o precipício. Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.
 
COMENTÁRIO: Hoje, somos transportados àquela sinagoga de Nazaré em que Jesus, desde pequenino, ouvia as santas palavras que Ele próprio inspirara aos livros históricos. Indo, pois, fazer a leitura do dia, tomou o Senhor o livro de Isaías e, aí vendo as revelações que séculos antes fizera o profeta a seu respeito e que a Igreja agora nos traz à memória, disse aos ouvintes, seus conterrâneos: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. Jesus se identifica, pois, com o Ungido de Deus, o enviado para “levar a boa nova aos humildes, curar corações doloridos, anunciar aos cativos a redenção, e aos prisioneiros a liberdade”. Dando cumprimento a esse texto profético, Jesus proclama “um ano de graças da parte do Senhor” (Is 61, 1) e inaugura o anúncio da Boa Notícia que o Pai quer transmitir aos homens: Deus está conosco e, fazendo-se em tudo semelhante a nós, vem trazer-nos a libertação do pior dos males: o pecado! A divina humanidade de Nosso Senhor vem, pois, dar-nos o toque da Graça, vem ungir-nos com o Espírito de que está revestido. Essa mesma humanidade, que nos toca realmente na Eucaristia, quer também anunciar a cada um de nós a alegria do seu Evangelho. Resgatando-nos da iniquidade que nos mantinha cativos do demônio, Jesus quer continuar a operar em nós a sua obra de salvação e libertação. Abramo-nos à Graça de tão amável Redentor e, livres do pecado e nascidos para uma vida nova em Cristo Jesus, levemos a outros corações o “ano de graças” que Ele hoje nos oferece.
 
São Beato Eustáquio Van Lieshout, rogai por nós, por todos os enfermos e pelo fim da Pandemia!
À Jesus, toda honra, louvor e adoração!
Shalom🙏Veni Sancte Spiritus! Veni Lumem Cordium!

Compartilhe Também

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

INSCREVA-SE NO BOLETIM INFORMATIVO

Inscreva-se para receber nossas últimas notícias

Mais para você ler